sexta-feira, 2 de julho de 2010

Desespero.


Como se cada dia fosse o ultimo e cada segundo único e inesperado, daqueles inexplicáveis, incalculáveis que se pode começar ou destruir todos os outros milhões já vividos. Porque quando eu penso no que tal ausência causaria, sinto-me tão menor que meu medo, e explode em mim a vontade de gritar por você... Mas você não vai estar pra suprir tudo àquilo que é seu e você não merece, de que adianta agora mais um entre tantos “esta tudo bem”?

Adeus a tudo calculado, imaginado que eu sonhei pra nos dois, os dias se arrastando como sempre, mas agora sem ter um motivo pra que meu coração bata. Se eu fosse forte desejaria não te esquecer, mais sim perder o ar... Acharia um sentido mais dentro da realidade pra se morrer, e quando começasse o ar a me faltar, aceitaria enfim não mais te ter, me jogaria sem medo em todos os vestígios de lembranças suas, engoliria o silencio e a dor, e assim assistiria pela ultima vez o filme daquela vida que eu acreditei ter vivido com você.Chegaria ao êxtase de meu ultimo suspiro, e só então fecharia os olhos dizendo eu sempre vou amar você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário